>

terça-feira, 13 de maio de 2008

Um Episódio de vida ... no Café dos meus Sogros

Uma história de vida ....em que, qualquer semelhança com uma história de ficção ... é pura coincidência!!!
Como o meu filho não queria estudar, deslocando-se à escola apenas e só, para provocar desacatos, o meu sogro (que é proprietário de um café), disponibilizou-se para o ter lá, para que se mantivesse ocupado, e não pensasse em dispares. Todos os dias de manhã, o meu filho saía de casa pelas 07:15 para apanhar a camioneta que o levava até a casa dos avós. Chegando lá, apanhava boleia dos avós até ao café. O único senão, era o facto dos meus sogros fecharem o café perto das 23.00, um horário extenso para uma criança de 15 anos.
Ainda assim, deixámos que ele cumprisse o horário, para que de uma vez por todas se convencesse que a vida é difícil, e que é preciso trabalhar muito e muitas horas, para se conseguir ter alguma coisa (infelizmente com um pai que trabalha de sol a sol, o meu filho nunca conseguiu ver, como difícil é a vida). Passados 4 ou 5 dias, o meu marido ao sair do trabalho, decidiu ir buscar o filho para que este regressasse a casa mais cedo.
Chegado ao café do pai, ficaram ambos à conversa ao balcão, e eis que o meu sogro coloca a questão: “Então mas o que é que estás aqui a fazer?”. Eu nem quero imaginar a cara do meu marido!! Venho buscar o André, retorquiu. Buscar o André? Mas o André não está cá. Sintetizando, na véspera, aproveitando o facto de eu e o pai estarmos à conversa na cozinha, o meu filho, telefona para o avô, pedindo-lhe que o dispensa-se do trabalho do dia seguinte, pois sentia-se cansado. O meu sogro naturalmente consentiu. O meu marido como almoçava em casa, tinha constatado que o filho não estava em casa, pensava ele que tinha ido trabalhar. Mas afinal estava enganado. Antes de tirar conclusões precipitadas, o meu marido telefona-me, perguntando-me pelo André, naturalmente que respondi que deveria estar com os avós. Inteirei-me da situação e acabámos por combinar que aguardaríamos a chegada dele, para saber o que se passava.
Chegou pelas 23:30, como se nada fosse. Eu fiz um esforço sobrenatural para abrir a porta sem parecer exaltada. Perguntei-lhe como correra o dia. Explicou-me tudo ao pormenor, chegando ao ponto de me dizer quantos almoços os avós tinham servido, transcreveu conversas com os clientes, estado de espírito do avô, etc.
Eu e o pai assistíamos petrificados à descrição de um dia de trabalho que não existiu. Depois de todos os disparates, perguntei se ele acreditava em todas as mentiras que nos estava a contar. Claro que acreditava!!! Acabou por contar que tinha passado o dia com amigos a jogar à bola e a fazer sei lá mais o quê!!!!! É preciso paciência …. Muita paciência!!!

3 comentários:

Mae Princesa disse...

Realmente...Esse teu filho quando direcionar as forças dele para o bem, vai ter muito sucesso....

Ana & Samantha disse...

Oh "jasus" mas o rapaz...ideias nao lhe faltam,hein?

Desejo do fundo do coracao que ele atine,o mais rapidamente possivel.

E minha linda,tambem te vejo como uma amiga,es uma pessoa tao carinhosa:)

Da proxima vez que for a Portugal,vou fazer tudo por tudo para no minimo te dar uma beijokinha...

Patricia disse...

Ele depois aprende. Convém é que sempre que ele fizer asneiras seja repreendido e castigado (digo eu que não tenho filhos mas tenho uma irmã com 17 anos).

bjs