>

quinta-feira, 8 de maio de 2008

Pormenores com a Maxima Importância V - Finalmente

(Continuação) .... Soube ontem que ele saiu de casa da minha mãe após mais um furto. A minha mãe quer agora aproximar-se novamente de mim. Já sei o que me diria. Dir-me-ia que eu tenho muita razão, que eu estivava certa, que esta foi a ultima oportunidade que lhe deu, que nunca mais o quer ver, etc. Na proxima semana já andarão de mão dada a passear num qualquer centro comercial para que ele escolha a nova coleçção primavera-verão. Não estou disponível. Não aceito mais pedidos de desculpa em vão. Não quero qualquer contacto.

O meio unico receio é que ela me venha bater á porta, e que eu, me veja assim obrigada a expor os meus filhos pequenos à deprimente cena, de me verem comunicar que para mim acabou. Sinto este afastamento como uma forma de sobreviver. Só conto com o meu marido para me ajudar a criar os meus filhos. Está-me vedada a possibilidade de cair a uma cama doente. O meu marido tem de trabalhar e eu não tenho mais niguém que cuide de mim ou dos meus filhos. Têm sido longos anos a puxar um pesado fardo. Embora nunca se desista de um filho, não consigo ter mais forças. Não depende de mim a mudança. Quando for para mudar, serei a primeira a dar-lhe um apertadinho abraço, e um doce beijo, e desejar-lhe as boas vindas ao caminho da felicidade!!!!

Entendam o tamanho destes posts como tendo a dimensão do meu desespero. Desculpem. Devo estar à beira da locura!!!

Um beijinho

Filipa

6 comentários:

Ana & Samantha disse...

Minha querida amiga,a situacao e pior do que eu pensava:(
Quem me dera estar perto para te dar um abraco muito apertado,com muito carinho.

DESCULPA o que vou dizer mas,so espero que o teu filho nao acabe como a tua mana:(
Sei que e uma coisa horrivel de dizer,por favor perdoa-me mas, e o que tenho em mente.
A tua mae devia parar para pensar um pouco.
Tu,infelizmente,nao podes fazer nada...
Nao consigo imaginar a angustia que tens dentro de ti:(

Voltarei com mais tempo para deixar o meu comentario.
Ta na hora de ir colocar a Sammy na camita.

Beijinhos enormes cheis de carinho

Mae Princesa disse...

Oh minha linda.....Penso tantas vezes em ti....De certeza que és uma excelente pessoa, e acima de tudo, Mãe!!!!O problema é que não foste considerada mãe do André, a tua mãe fez o favor de ocupar o lugar! Era demasiado nova, demasiado dependente para fincares o pé à tua vontade, entendo perfeitamente porque razão as coisas tomaram este rumo...Protege-te a ti, aos teus FILHOS e ao teu marido (que tem mesmo cara de boa pessoa!!)e segue a tua vida, querida. Esses teus filhotes pequeninos precisam de ti, eles são teus filhos, sentem-te como mãe, amam-te incondicionalmente. Não deixes mais que ninguém se aproveite de ti, mesmo sendo teu filho isso não lhe dá esse direito! E se for preciso abandoná-lo para seguires a tua vida feliz com a tua familia, não te condeno!!Às vezes a vida e as pessoas não nos dão outra escolha....Se um dia ele quiser realmente ajuda e estiver realmente mudado, tu sentirás dentro de ti, e aí sim deves estender lhe a mão! E nunca tenhas vergonha de sair à rua...Não tens que ser julgada de nada!!!E és uma pessoa integra, correcta e honesta, a cada dia educas os teus filhos com esses valores, por isso sempre que abrires a porta de casa, sente orgulho em ti, e levanta a cabeça!

Sofia e Beatriz disse...

Olá Filipa
Cheguei aqui, através do blog da mãe princesa.
Fiquei bastante sensibilizada, com estes teus últimos posts.
Sou sincera...não consigo imaginar a tua dor, nem tão pouco consigo pensar que caminho deverás percorrer!
Não mereces este sofrimento todo.
Apenas te posso dizer, para seguires o teu coração....mas pensa, TU tens direito a ser FELIZ!!!!!

Uma beijoca apertadinha!
SOFIA

patwork disse...

Olá Filipa
Acho que nenhuma palavra que te escreva aqui te pode ajudar a resolver o teu problema. Infelizmente a vida nem sempre é um mar de rosas e lendo a tua história chego à conclusão que, às vezes, as pessoas sentem-se tão infelizes por coisas tão insignificantes e não lhes passa pela cabeça, o que acontece na casa do vizinho, do amigo e até do amigo virtual.
Só te posso dizer que acho que estás certa. Conheci muitos adolescentes como o teu filho e vi o esforço, em vão, de muitas mães a tentarem ajudá-los. O problema é que a ajuda não é quando as mães querem, mas quando os filhos sentem essa necessidade de ajuda!!! Só assim estão dispostos a aceitá-la e a seguirem outro caminho.
Desejo-te sorte e pensa nos teus dois filhos pequenos, que precisam tanto de ti.
Beijinhos e muita força
Patrícia ( irmã da mae princesa)

Anocas disse...

A grande verdade é que não se pode ajudar quem não quer ser ajudado! Ao longo dos anos verifiquei pessoalmente o Amor que sempre dedicaste ao teu filho. Sempre do lado dele... às vezes mesmo quando ele não merecia.
O teu casamento é a prova de que se o Amor for verdadeiro triunfa contra todas as adversidades. Vocês tiveram sempre todos contra vós, remaram contra a maré, mas venceram: chegaram à vossa ilha!!!
Longe de estares "a ficar louca", tu és (e sempre te conheci assim) uma das pessoas mais lúcidas e pragmáticas que eu conheço. Enfrentas e analisas os teus problemas com clareza e com coragem.
Lutaste muito pelo direito a ter este filho. Assumiste-o numa idade difícil e sempre o amaste. Está na altura de ele se começar a amar a si próprio.
O nosso coração está convosco todos os momnentos.

G_ticopei disse...

Só esta semana conheci o teu blog e hoje consegui ler mais alguma coisa a ponto de perceber afinal qual era a história do teu filho mais velho. O que quero dizer-te em primeiro lugar é que não te conhecendo já te admiro muito. Depois quero dar-te a minha opiniao. Não te culpabilizes por nada pois acho que estás no caminho certo. Conheço alguns casos semelhantes ao teu em que os pais, por vergonha da sociedade, pactuavam com o comportamento dos filhos e hoje em dia não passam pela vergonha de por o filho fora de casa, mas passam pela vergonha de terem e acobertarem um deliquente em casa! Tens que penasr nos teus outros filhos e quem não quer ser ajudado que se vire! Tenta perceber apenas se em algum momento ele der sinais de fraqueza e mostrar vontade de mudar, para aí sim aproveitares e lhe dares a mão. Caso contrário, deixa que ele aprenda com os próprios erros e pode ser que um dia ele mude. Mantém essa esperança, para ao menos ires tendo força para aguentares tudo o resto que acontecer daqui para a frente! Desculpa o testamento e um beijo muito grande!