>

quinta-feira, 19 de junho de 2008

E Lá Fui eu ao Café!!

(foto retirada)

Para ser franca decidi ir tomar café com o André, sem muitas certezas se esse encontro seria benéfico ou prejudicial … no fundo eu queria ir, pois tenho saudades (???), mas ao mesmo tempo, não o queria deixar seguro. Com ele, tem de se ter muito cuidado … pois um simples sorriso … é o suficiente para que tente logo abusar, e abusos, é coisa que não permito que aconteça. O encontro foi agradável, sem grandes stresses e sem discussões …. Contudo, mais uma vez verifiquei que ele continua igual a ele próprio, e isso para mim tem tanto de negativo como de preocupante.

Vou tentar sintetizar aquilo que mais me chocou para que Vos consiga transmitir como funciona a cabeça do meu filho.

Como já Vos tinha contado ele está hospedado numa pensão na Praça de Espanha, totalmente financiada pela Segurança Social, contudo passa os dias, tardes e noites em Loures, deslocando-se à pensão para pernoitar (se é que lá vai, eu cá tenho ao minhas dúvidas, mas enfim). O seu dia é passado da seguinte forma: acorda, não toma o pequeno-almoço porque a pensão só fornece almoço (às 11:30 horas) e jantar (ás 18:30), e vai apanhar os transportes públicos com destino a Loures. Aqui não posso deixar de frisar o orgulho (????) com que o meu filho me mostra o passe falsificado, isto porque, a senha do passe, não é mais do que, uma fotocópia a cores. Fico espantada por dois motivos, primeiro porque vai completamente contra è educação que lhe dei, e depois, com o à vontade com que se gaba de um feito tão … condenável. Pior fiquei, quando eu começo a dizer-lhe, que embora a falsificação tivesse uma qualidade média (parece-me que às vezes ainda consigo ser mais parva do que ele) poderia passar despercebido a um motorista, mas jamais a um cobrador.

Claro está, que ele começou a argumentar que o cobrador nunca aparece, mas se alguma vez aparecer, ele arranja maneira de sair rapidamente da camioneta (OK, já me tinha esquecido que nas historias ele é sempre um super-heroi). Prontamente me tentou acalmar dizendo-me: “Quero lá saber, também se for apanhado, já avisei a Segurança Social que lhes vou lá entregar a multa para elas pagarem. Quer dizer, granda lata, colocam-me em Lisboa e recusam-se a pagar-me os transportes para eu vir ter com os meus amigos!!!!.

E quando oiço este tipo de coisas …. Que eu começo verdadeiramente a ter dificuldades em controlar-me, pois só me dá vontade de baixar o nível, e partir para o insulto. Claro, que mais uma vez, tive que lhe dizer, que era preciso não ter vergonha nenhuma para estar a ver as coisas nesse prisma … quer dizer, o menino sai de casa porque não quer cumprir regras, nem horários, nem estudar, nem trabalhar …. a Segurança Social paga-lhe a estadia e alguma “alimentação”, pois ele ainda acha, que tinham obrigação de lhe pagar o passe para que fosse conviver com os amigos!! – Socorro, eu não posso acreditar que o meu filho continua a ser um … nem sei o que lhe chamar.

Como os meus nervos só me dão para aguçar o meu sentido de humor … ironizei, dizendo-lhe: Olha já agora que está a chegar ao verão, não te esqueças de lhes perguntar se já te reservaram a passagem aérea para as Maldivas, não vá elas esquecerem-se. Claro que me respondeu que eu lhe estava a dar uma rica ideia!! Sem comentários.

Todo o dia é passado em Loures regressando a Lisboa na última camioneta que apanha às 00:20 (agora compreendo as horas tardias em que me envia sms, deve ser enquanto espera pela camioneta (lol) no fim do seu dia de ……. (trabalho????).

Mais uma vez apelei, para que pensasse na vida que levava, pois não fazia sentido passar os dias a vaguear pelas ruas e cafés de Loures, quando o que deveria fazer era trabalhar para se auto-sustentar. Ele concorda sempre comigo, pelo que prontamente começou a pedir nos estabelecimentos comerciais do Espaço Comercial onde nos encontrávamos fichas de inscrição para que pudesse arranjar trabalho. Mas quantos milhares de vezes é que eu já disse isto …. Ele parece que reage às palavras com um impulso, mas que acaba sempre por não dar continuidade a esses impulsos.

Também já é conhecedor que pode prorrogar o apoio até ter 21 anos … ou seja, mais 3 anos de boa vida. A única imposição que a S. Social colocou, foi a de ele ser seguido por um psicólogo. Diz que está a ir às consultas.

Agora diz-me que quer estudar a partir de Setembro… ai como eu conheço esta história …. Há uns meses queria estudar para ingressar na GNR, agora é para ir tirar uns cursos, aproveitando o programa das Novas Oportunidades.
Quando se sente pressionado, diz sempre que quer estudar … mas chega sempre à grande conclusão que estudar dá muito trabalho …. E ele não quer contactos com este ultimo (lol).

Só me resta ironizar esta situação, que para mim é, sob pena de me tornar repetitiva, muito angustiante e preocupante. Pelo que vejo, ele não muda … continua a não ter consciência da necessidade de trabalhar para ser um Homem e isto faz-me cá uma confusão!!! Mesmo que quisesse estudar aproveitava estes meses até Setembro, estava ocupado, e ganhava uns dinheirinhos para as coisinhas dele, não seria mais proveitoso do que andar a passear-se por Loures?

E anda aquela alminha todo o dia sem comer …. Deixando-se ficar à mercê dos amigos/as que de vez em quando lá lhe pagam um bolo ou uma cerveja como ele diz, como se de um mendigo se tratasse. Mas eu alguma vez me colocava numa situação de dependência em relação aos outros? Eu? Então onde é que para o nosso orgulho? Eu pintava a minha cara de azul ás bolinhas amarelas … por mais que eu tente eu não consigo aceitar esta forma de estar na vida. Ele chega ao ponto de preferir passar fome do que ir trabalhar!!!

Agora digam-me lá como é que eu me posso sentir tranquila sabendo que tenho um filho que fisicamente se está a fragilizar, pois não come. Em que hei-de pensar senão nele quando aqui em casa se deita comer fora? Isto tudo não é tão estúpido? Como é que ele prefere estar com os seus bens pessoais depositados numa pensão do que ter o seu quartinho com todo o seu conforto. Como é que ele troca a sua playstation, televisão, aparelhagem, DVD, computador, os lencois perfumados e engomados, e tudo o mais, por um quarto frio e húmido, que tem tanto de impessoal como de solitário. A que preço é que ele paga a liberdade que hoje tem??

Eu falo muito de liberdade e convém explicar o seguinte: a liberdade que ele exigia era um livre transito para entrar e sair à hora que queria … fazendo de casa … uma pensão … era apenas um local para comer (às horas que ele queria) e dormir (nos dias que lhe dava jeito) com a agravante de ter vícios (como por ex: o tabaco) e não querer trabalhar nem estudar, “exigindo-nos” entregas de dinheiro para os seus vícios. Para ele as noites deveriam ser passadas inicialmente no café, onde bebia bastante, seguia-se uma entrada numa discoteca, ou um fim de noite em casa de um amigo, e pela manhã o regresso a casa onde dormia até às 14:00, jogava playstation, ia novamente para o café para se inteirar nos efeitos da bebedeira do dia anterior nos amigos, e combinar os pormenores para o encontro dessa noite …. Isto todos os 7 dias da semana, 365 dias por ano com uma média de gasto diário de 25,00€. Quem aguentaria? Nós não aguentámos … isto não é liberdade que possa ser tolerável. Tentámos negociar muitas vezes …. Mas tudo quanto fosse mais limitado do que isto … não era por ele aceite!!!

Foi a vida que escolheu …. E eu como mãe … sinto-me tão frustrada, interrogando-me diariamente onde é que errei. Se alguém perceber onde está o meu erro por favor digam-me não se inibam, é que eu tenho mais dois filhos para criar … e não quero repetir esse erro, se é que ele alguma vez existiu … ou existe!!!

Epá, e a educação que eu lhe transmiti onde foi parar??
Nesta tarde ainda ouvi umas histórias de um amigo que foi apanhado a roubar no Continente, utilizando as técnicas que ele (o meu filho) lhe tinha ensinado, e claro, as técnicas eram óptimas, o executante é que era um nabo.
Aquele bebé que eu pari, que eu acarinhei, que eu eduquei, beijei e amei …. Anda a ensinar alguém a roubar … por mais que tente não me conformo e sinto-me triste … mas a vida tem de continuar!!!

Desculpem o “testamento” … nunca fui boa a sintetizar o que quer que fosse … e com uma vida tão recheada de pormenores com a máxima importância …. mais árdua é a tarefa!!!

Beijos
PS – Mais uma vez, andamos pela noite fora!!
PS2 – A Rita e o Diogo adoraram estar com o mano!
PS3 - A avozinha anda a ser seguida no Julio de Matos. Tem uma depressão crónica!! (deve ser dos remorsos ... isto digo eu!!!)!!

4 comentários:

Mae Princesa disse...

Olá!!!! Olha eu cá acho que te devias afastar mesmo dele, e proteger os teus filhos pequenos das suas possiveis influências futuras. Mesmo que não te pareça, eles já entendem tudo o que ouvem....Protege-os o mais que puderes! E é pena teres que levá-los para tribunal, eles não têm escola? Um vizinho, sei lá....Era melhor...Beijos grandes

Anocas disse...

Fiquei muito triste com o teu post. Estou a sentir-me muito deprimida. Não é fácil aceitar uma coisa destas.
O menino travesso de sorriso aberto que passeava de braço dado connosco está um delinquente. Ás vezes passamos por estes jovens na rua e nunca imaginamos quem será a mãe, o pai, os irmãos...Acho que depois do André nunca mais vou olhar para um miúdo destes da mesma maneira!
Infelizmente, a tua amiga "mãe princesa" está cheia de razão. Subscrevo inteiramente o que ela escreveu, embora...será possível esquecer um filho?
Muita força!

Teresa disse...

Quem lê este teu post não pode deixar de pensar no que a vida tem de inconstante. Pela forma como escreves (pois não te conheço de outra) pareces ser tão forte e segura que não deixa de ser irónico dizeres que te sentes frustrada como mãe. Tu que transmitiste os valores certos, as oportunidades certas e sempre o apoias (mesmo que na bancada) mereces muito mais. Não te sintas frustrada, o teu filho não te agradece mais por isso. Mas acho que o mais difícil é manter a frieza quando se continua a amar. Por isso te digo coragem, o tempo não cura mas pode amortecer a dor...

A mamã disse...

ai Filipa esse coração não sei como aguenta
é que não há ponte por onde se pegue ..tem mesmo ser ele a querer...
mil beijinhos
paula