>

terça-feira, 24 de junho de 2008

E Foi Assim ... no Tribunal

Não fosse o estar em causa o futuro do meu filho, eu estaria pronta a gritar aos sete ventos que a conferência tinha corrido muito bem. Sinceramente, quando mais me vejo nos corredores dos tribunais, mais consciência tomo que realmente, a Justiça tal como eu a vejo, está em desuso, é obsoleta e traiçoeira.

Felizmente, consegui que a Ritinha ficasse a almoçar na escola, para que não tivesse que a expor a uma conferência, onde, para além de diversas coisas, se relata pormenorizadamente a personalidade desviante do irmão mais velho. Já o Di não teve a mesma sorte … acompanhou-nos, mas portou-se lindamente!!!

Embora tivesse consciência que tudo quanto pudesse dizer não iria mudar em nada aquilo que estava previsto ser feito, achei-me no direito de manifestar a minha oposição e solicitar todos os esclarecimentos necessários, por forma a acimentar a ideia que já tenho à muito …as instituições não funcionam, este país está um caos.

Resumidamente, as assistentes sociais vinham apresentar ao tribunal a seguinte proposta:

- alteração da medida actualmente aplicada (designada por medida de “apoio” junto dos pais). Essa medida consistia em termos o André inserido no nosso seio familiar, devendo as assistentes sociais acompanharem o processo e assegurar-se que o André se mantinha a cumprir as nossas orientações. O tribunal deveria receber um relatório social a cada 3 meses com os relatos da evolução do André.
Naturalmente, que não estando o André connosco, porque abandonou voluntariamente o lar, a medida tinha de ser alterada, e por isso, sugeriam a “medida de autonomia à vida”. E em que é que isso consiste? Consiste na Segurança Social suportar as despesas consideradas básicas para a sua sobrevivência do André …o que já vêm a fazer desde Janeiro!!

Claro que quando ouvi esta proposta para mim tão aberrante, pedi licença para falar, querendo no fundo que me explicassem ao abrigo do quê, de que princípios, de que valores, com que base, é que um menino que não quer fazer “puto na vida” têm de viver à conta da SS, com o dinheiro de todos quantos trabalham???

A Juíza, perfeitamente lúcida, concordou em absoluto comigo, não reconhecendo ao André qualquer capacidade de autonomia … chegando ao ponto de lhe dizer que meninos como ele, ela conhecia aos molhos, e que eles só têm como objectivo viver à conta e por conta de alguém, pelo que, sendo ela obrigada a aplicar a lei, iria aplicá-la mas o mais limitadamente possível.

A partir daqui, começam as assistentes sociais a dizer que lhe estão a pagar as despesas porque ele está a trabalhar no Johua´s Shoarma no Odivelas Parque, à uma semana, e por isso, estando ele a trabalhar, pode sempre contar com a ajuda da SS. Isto não é um contrasenso??? A mim pareceu-me mas nem havia tempo para discutir isso.

Prontamente afirmei, que era mentira, que ele não estava a trabalhar … que quase todos os dias me telefonava para ir tomar café, e que inclusivamente, na passada semana tinha estado toda a tarde com ele, e por isso, podia afiançar que ele não estava a trabalhar. O André afirmava que sim, que estava há poucos dias, mas que estava, eu dizia que não … até que a juíza ordena às assistentes que lhe fizessem chegar no prazo de 8 dias uma declaração da entidade patronal do André. Eu, já me estava a passar, pois percebi claramente, que esses 8 dias que davam ao André para apresentar o documento seria mais um tempo que ele iria ganhar, ao abrigo de uma mentira. O André lá perguntava à juíza: então tenho 8 dias para apresentar o documento, não é? Pois assim farei, retourquia.

Interrompi-o, e disse-lhe que pensasse muito bem com que cara é que quando acabasse a conferencia, iria confidenciar às assistentes sociais que afinal não trabalhava, ou com que lata é que iria falsificar uma declaração (estas seriam as únicas possibilidades que previ) …. Ele, disse: eu estou a dizer a verdade, eu estou a trabalhar e por isso em 8 dias a declaração aparecerá!!!!

Voltei a apelar ao seu bom senso, pois não poderíamos estar ali a decidir o que fazer ou não com ele, com base numa mentira. Ele manteve a sua versão. A juíza alertou-o que não gosta que brinquem com ela e que não gosta de mentiras, pelo que lhe perguntou directamente se dizia a verdade. Ele respondeu que sim. Assim, tanto eu como a juíza, nos lembrámos em simultâneo de uma única solução, … e eis que, quando interrompo para sugerir um telefonema para a “alegada” entidade patronal, a juíza manda chamar a escrivã pedindo-lhe exactamente que concretizasse esse contacto.

O André ficou azul …. Pelo que disse que afinal não estava a trabalhar. A Juíza passou-se com ele, o que deu origem a um sermão de alguns minutos. As assistentes sociais também foram repreendidas, pele forma leviana, com que aceitam como certo, as versões destes meninos que fazem do seu modo de vida explorar a sociedade.
Ficaram também a saber … que para o André … não passam das Gajas que não lhe pagam a senha para o passe. E acreditem que a partir daí encaram o André de forma diferente … tadinhas sentiram-se enganadas, traídas!!! Como eu as compreendo!!

Resumindo, foi uma conferência em que tudo estava consciente de quais os reais objectivos do André. Perceberam também, que ele tentava alegar vontade de estudar para ganhar tempo, pois não procurou sequer saber que cursos é que tinha ou não, à sua disposição. Perceberam também que ele tinha como objectivo fazer o pedido para prorrogação destas ajudas até completar os 21 anos, mas que tendo em conta o que ele tem demonstrado serão indeferidas pela juíza. Pelo que lhe deram 8 dias para arranjar trabalho, obrigatoriedade de frequência das consultas de psicologia com a realização dos exames médicos e medicação prescrita, e assim que se verificar o incumprimento destas regras haverá cessação do apoio. Havendo apoio o mesmo será dado em função da remuneração por ele auferida.

No entanto a juíza terminou a conferência dizendo estar convicta que daqui a 15 dias terá concerteza todo o processo em cima da mesa, para proceder ao seu arquivamento, pois acredita que ele encontrará com toda a certeza formas alternativas de subsistência para além do trabalho, e por isso será incapaz de cumprir com as regras impostas, conforme nunca cumpriu nada do que lhe foi ordenado no passado.

Sinceramente, a conferência serviu para todos sem excepção, lhe dizermos o que pensamos dele, tendo a juíza sugerido que ele se afaste da respectiva comarca, pois se ele tem a fatalidade de alguma vez ser presente perante ela acusado de um crime, ela jamais acreditará nos argumentos que utilizará para sua defesa, e por isso estará “automaticamente” condenado!!!

Ainda nos foram dirigidas algumas palavras de apoio e de compreensão, pois teceu-nos elogios pelos princípios e valores que ferozmente defendemos, e pela capacidade tão lúcida, objectiva e real com que conseguimos avaliar o nosso próprio filho!!!

Ao André, para além de várias chamadas de atenção, e discursos de alertas e reprovação ainda lhe foi perguntado o que é que ele anda cá a fazer?, em que pensa quando deita a cabeça na almofada? (ele respondeu que não pensa em nada), e se alguma vez teve alguma capacidade para gostar de alguma coisa ou de alguém? Ele não respondeu.

Voltei a repetir perante todos que o amo, que estarei sempre ao lado dele, quando ele quiser ser um Homem (mas com provas dadas da sua real intenção, não é só conversa), mas que jamais o acompanharei nesta escalada para o mundo do crime e da delinquência, onde diga-se de passagem está enterrado até aos cabelos.

Não pude de lá sair sem ver esclarecida a situação das custas do tribunal, que como já vos disse ascendiam a 5.000€ em Setembro de 2006. A juíza esteve a ver e confirmou que realmente esse valor, é relativo ao valor do processo, sobre o qual incide o valor das custas e que se quiséssemos nos poderiam fazer uma simulação. Adiantou ainda que não pode anular o que a colega decretou, mas que não irá lançar as custas relativas às várias revisões que o processo já teve, pois não lhe parece justo … mas agora nada há a fazer para além de pedir o pagamento em prestações, que poderá ser indeferido ou deferido.
Ainda nos disseram que temos sempre que pagar, pois o pai trabalha, se não trabalhasse ficaríamos isentos, ou seja quem trabalha está sempre f****o!!! As custas ascendem a 800,00€, um valor muito inferior ao que nos tinha sido comunicado, ainda assim, muito pesado para nós!!!! Será isto Justo?? Disseram-nos que não!!! Mas é assim, tiram a uns (aos que trabalham) para dar aos outros (aos que não querem trabalhar). Enfim havemos de sobreviver!!!

Amanhã ou mais logo, irei aqui deixar o que penso que irá acontecer, daqui para a frente!!!!
Em relação ao que poderia ser feito, no que toca ao André … pareceu-me que terá sido feita justiça, mas agora deparo-me com o facto de estar consciente que daqui a 8 dias a situação dele se agravará … por sua culpa é certo … mas será pior … e isso dói-me!!!

Beijos

PS –Desculpem os erros, as frases mal estruturadas, mas podem não acreditar, mas já escrevo dando erros que nem na primária dava, já não consigo escrever as palavras básicas, ando baralhada, hesito, tenho duvidas, quero dizer as coisas e as palavras não surgem dando comigo a falar a escrever utilizando vocabulário do secundário … sinto-me esgotada!!!

Um beijinho para todas vocês que conseguem ler estes meus testamentos descoordenados e maçadores!!!

Um beijo

9 comentários:

Anónimo disse...

Boa tarde Filipa,

Venho lendo o teu blog e já tive várias vezes vontade de deixar aqui umas palavras... desta é de vez!
Acho sinceramente que és uma pessoa com as ideias e valores bem estruturadas. Escreves, ao contrario do que dizes, bem e expressas muito bem o que te vai na alma. Tens toda a razão em tudo o que dizes e só desejo que o futuro te reserve um pouco de Paz, que bem mereces!!!!
Felicidades

Ângela & Tomás disse...

Olá!
Espero que já te encontres mais calma.
Tens de ter mesmo muita paciência e encontrar alguma serenidade para criares esses 2 filhos maravilhosos que tens.
Foca-te neles e tenta esquecer nem que seja apenas nesses momentos o André.

Sim, a Justiça em Potugal anda cega, injusta e obsoleta!!
Nem imagino a dor que deve ser ver um filho que parimos e criamos com tanto amor enveredar por essa vida...espero, sinceramente, nunca vir a imagnar...

Força e muita coragem para criares os teus 2 anjinhos...vais ver que vão ser o teu orgulho, o teu ombro amigo. Deus há-de compensar-te!

Beijinhos babados.

Elisabete disse...

Olá Filipa, agora que passou a "reunião" tenta relaxar um pouco. Acho k conseguiste que finalmente vejam como está o André a a forma como ele pensa e age na vida. Deve ser por demais doloroso estar nessa situação, mas temos de ter esperança que ainda tudo se resolva da melhor forma. Ele ainda é novo e talvez se faça luz no entendimento dele.
Não é minimamente justo que ainda tenham esse custo em vocês...este país é ridículo!
Repetindo, tens 2 filhotes lindos que precisam ainda muito de ti e tens de estar forte e serena para os acompanhar.
Beijocas e um abraço de amizade

MamãdaDiana disse...

Tiveste muita coragem em falar de tantas coisas em peno trbunal sobre o teu filho.

És uma corajosa. Concordo com tudo o que disseste no teu post...

Beijocas e força para ti

Mae Princesa disse...

Muita força amiga, és um excelente ser humano, uma excelente mãe, continua assim!!!E não tens nada que pedir desculpa, pela cadeira, eu ja não a podia devolver, só te disse aquilo da venda de garagem para brincar contigo!bjo grande!

Teresa disse...

Olá Filipa, sei que não foi um dia fácil (nunca o são nesta situação) mas agora que passou vê se acalmas e recuperas a serenidade possível que bem mereces! Obrigada pelo teu carinho e sim, já me sinto um pouco melhor, o Rafa voltou a tomar o Risperdal a par do Concerta o que ajuda a dominar a tal agressividade na forma como reage. Penso que o melhor é habituar-me á ideia de que nesta fase o importante é que tome os medicamentos e confiar no médico que o acompanha (que é uma jóia!)
Beijinhos para vós que já considero como da «família»

Patricia disse...

eu deixo-te um beijinho e a garantia que vou ler sempre os teus desabafos,

bjs

Mamã e Tesourinhos disse...

Olá Filipa.

Conheço-te há poucos dias e já tenho uma enorme admiração por ti. Parabéns por estares acordada para a realidade e não quereres ficar cega, por nunca desistires do teu filho.
Agarra-te aos teus príncipes pequeninos, eles, mais do que ninguém, precisam de ti. E de certo que vais encontrar neles toda a forçar para continuar a lutar.
Quem sabe, a esperança é a última a morrer e pode ser que o teu filho algum dia mude.

Um beijo grande.

P.S.: A febre do Henrique não voltou a aparecer. Foi apenas no fim do dia. Obrigada!

A mamã disse...

Sem duvida Filipa que és um Grande Mulher
Qualquer outra mãe iria pôr a mão sobre a cabeça do filho e encobrir ...tu não! és justa, correcta, racional mesmo se tratanto de sangue do teu sangue. Bem hajas!!!!Quem nos dera que as assistentes sociais fossem tão perspicazes quanto tu és!
Mil bejinhos
paula