>

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Uma cena de polícias e ladrões

Hoje recebo um telefonema de uma senhora interessada em adquirir o carrinho que tenho em venda. Como a senhora não conhecia nada do concelho onde resido, resolvi combinar com ela a cerca de 30 km de distância. A minha mãe ligou-me, e como o local onde me ia encontrar para a entrega do carrinho, era perto da antiga casa dela, pediu-me para ir connosco pois seria a forma de ir buscar algumas (poucas) coisas que ainda lá tem em casa.
Consenti, pelo que lá fomos os 4 (eu, ela e os miudos). Chegámos à porta de casa dela, e eis que uma vizinha aborda a minha mãe dizendo-lhe "Oh Dona F. mas afinal a senhora já não mora cá? soube isso pelo seu neto que me bateu ontem à noite à porta para que lhe abrisse a porta do prédio para entrar. Eu ainda lhe perguntei porque é que ele não lhe pedia a si para lhe abrir a porta, ao que ele me respondeu que a senhora já não vive cá!!"

A minha mãe tentou disfarçar, mas ficou branca como a cal, e isto porque:

O André ontem pela manhã, sem dar satisfações a ninguém, rumou a Loures, afim de ir comemorar os 9 meses de namoro, e o aniversário de hoje, tendo antes de seguir viagem passado pela actual casa da minha mãe, afim de lhe cravar dinheiro. Como a minha mãe não lhe deu (pelo menos pelo que diz) saiu de lá aos gritos e a bater com as portas, deixando a minha mãe envergonhada perante a nova vizinhança.

Isto era o que se sabia. Mas hoje, o dialogo da vizinha denunciou-o segundos antes da minha mãe poder constatar o facto por si só. Afinal, ontem ele terá aproveitado para furtar as chaves da casa antiga (mas que ainda está na posse da minha mãe) para lá ir pernoitar. O que ele não contava foi que nestes dias surgisse a oportunidade de lá nos deslocarmos.

Liguei-lhe. Perguntei-lhe pelas chaves, ao que como sempre, me responde com um ar de inocente: "Quais chaves? não sei do que estás a falar!!!" Voltei a dizer-lhe que não brincasse comigo pois eu estava à porta de casa da avó onde uma vizinha tinha confirmado que ele lá pernoitara, e onde nos tinhamos deparado com a ausência das chaves do porta-chaves.

Perante a minha insistência lá assumiu que tinha as chaves (uma melhoria em relação a passado, em que me obrigava a estar horas a provar-lhe que ele tinha o que eu alegava que me tinha sido furtado).

Afirmou estar no restaurante dos avós (sim porque como faz anos, foi visitar os avós na esperança de lhe ser feita alguma oferta). Disse-lhe que estava à porta de casa aguardando as chaves. Pediu-me que as fosse buscar (a 15 km de distância). Disse-lhe que não iria e fiquei à espera. Esperei e desesperei. Voltei a ligar, e ele pacientemente, lá me foi dizendo que só tinha camioneta passados 45 minutos. Claro está, que me pus a caminho do restaurante dos meus sogros num esforço brutal para não chegar lá transtornada.

A cerca de 1 km do restaurante, lá o vejo a ele e à namorada, que com a maior das simplicidades me pede para lhe abrir a porta da carrinha, para irmos todos a casa da avó já que ele e a namorada têm lá coisas deles. Claro que peguei nas chaves e disse-lhe que ele só poderia estar a brincar. Ficou apiado. Fomos a casa da minha mãe, tirámos o que a minha mãe pretendia e as coisinhas dele e da namorada lá ficaram (não quero saber se fazem ou não falta).

Recebi entretanto dezenas de telefonemas e sms, porque ele, tão estúpido ficou convencido que as otárias iam ficar à porta, à espera que V. Exa chegasse, para retirar o que colocou numa casa em que abusivamente entrou.

E pronto ... agora está na rua, de chinelo e calcão, bem ao seu estilo, e aqui fica a certeza que o seu dia de aniversário é sempre marcado desde à 5 anos por um incidente grave e desagradável!!!

Agora tenho a minha mãe cheia de medo que ele lhe vá bater à porta de casa às tantas da manhã, pelo que ficou com o nº da GNR para lhes ligar caso haja algum incidente!!!

Não contente com isto, vou armada em parva para o recinto comercial onde tinha combinado o encontro para a troca de carrinho, esperei e desesperei e senhora nem vê-la .... FONIX!!!!

Socorro ... eu confesso que isto são aventuras e desventuras, para as quais já não tenho a resistencia de outrora!!!!

PS - E eis que às 21:00 o vejo chegar impávido e sereno, como se a tarde de hoje e os seus acontecimentos não tivessem ocorrido. Vai daí, reunião familiar convocada, uma serie de questões colocadas, para as quais nunca obtemos resposta, e o super-homem fica sempre cabisbaixo, com ar de cachorrinho arrependendido, e tal é o ar de arrependimento, que quase nos dá vontade de lhe pedir desculpa ..... coisa que como é obvio não acontece, pois embora desgastados não estamos senis!!!

Resumindo: Não estamos para isto. Não temos capacidade para vivermos com alguém em quem não confiamos, que diariamente com os seus comportamentos nos apunhala pelas costas, e que nos vê como os Otários que por amor o vamos apoioando na estupida esperança, que o que passa pela vida, o faça pensar e mudar, e que possa então agarrar a oportunidade que lhe damos. Ainda não foi desta, pelo que cada vez mais, a esperança é ténue, se é que ela ainda existe.
Filipa

7 comentários:

Rute Santos disse...

Força e coragem...não há mais a dizer!

Lamento mesmo que tenhas de passar por tudo isto!!!

Dri disse...

Filipa,
não há palavras para dizer o que sinto, para confortar-te... sei tão bem o que passas... embora as coisas andem mais calmas por estas bandas. li e reli o teu post... fiquei parada em frente à tela do computador, procurando palavras para dizer-te... mas não sei mesmo o que dizer... paciência? penso que vocês já tiveram mais do que qualquer ser humano poderia ter... calma? não sei se podemos dizer a alguém para ter calma numa situação destas... esperança? acho que já penso que ela não existe... fé? em que? em quem?
Sabes? acho que a palavra AMOR, por vezes não é mais que uma chave dourada que nos fecha a porta à liberdade de escolha e nos escraviza a quem chamamos filhos, marido, e dedicamos a nossa vida, damos a nossa alma... por vezes penso que seria muito mais fácil não termos pudores, sentimento de piedade ... seria mais fácil não pensarmos no que os outros vão pensar, vão dizer de nós... e virarmos costas a quem nos faz mal... a quem nos faz sofrer desta maneira... penso que és mais corajosa do que podes achar... fizeste bem em encontrar no teu blog o teu divã e deixares-te levar pelas tuas emoções e exorcizares aqui os teus fantasmas... brava... sei bravíssima...
se precisares de mim, para o que for... sabes que podes contar comigo...
beijo para ti, para o Galvão e para os pirralhos...

angelina disse...

querida Filipa eu compre-endo esse desespero e tambem jà me digo que é um mal que não tem cura.o André não tem o direito de os fazer passar por tanta coisa .é a minha opinião posso estar enganada Deus queira que sim
um beijinho angelina

Mamã e Tesourinhos disse...

Filipa,

Logo hoje fui deixar o telemóvel em casa :((((.

Vai daqui um enorme beijinho para vocês. Não tem sido nada fácil.

E como andam a Ritinha e o Di? Como têm gerido toda esta confusão?

Vai dando notícias.

Fica bem.
Bjs.

susana disse...

Querida Filipa,

Realmante ja nao ha paciencia. Os actos do Andre para com voces, que lhe tem dado tudo, indignam-me cada vez mais. Haja paciencia para aturar isso tudo.
Nao sei como aguentas, nem como ainda consegues olhar para ele em dias como este, em que ele passa todas as marcas. Deus do Céu, que ele nunca ve o mal que faz!!!

Muita paciencia e força, sao as unicas palavras que me ocorrem dizer-te :(

Um beijinho,
Susana

petlover disse...

Amiga,passo so pra te dizer que estou aqui e contigo,nada mais posso fazer ou dizer...
Beijo grande

Teresa Caixeirinho

Patricia disse...

eu que já acompanho o teu blog há algum tempo vejo que cada vez que falas do andré há uma dor tão grande... sempre te disse que deves ter esperança, que ele poderá mudar... mas no meio de tanta "asneira" já nem sei o que te diga...

beijocas grandes