>

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Eutanásia .... Não ou SIM!!!

O assunto é polémico, controverso, dificil, mas a minha opinião é simples, clara, objectiva e sem reservas. Sou completamente de acordo com a Eutanásia. Considero o direito de morrer, como um direito inato ao Homem, um direito que deve ser respeitado e não censurado.

Para mim estar viva, não é respirar agarrada a uma máquina. Para mim, viver é estar consciente do meio que me rodeia, com a plena capacidade de tomar decisões que só a mim dizem respeito. Por isso, se a vida apenas tem para me oferecer a cama de um hospital, respiração assistida e medicamentos para as dores .... então que venha a morte, pois será de certo muito Bem Vinda!!!

Para mim ... Vegetar não é Viver!!!

Sintam-se á vontade para replicar!!!



18 comentários:

Anónimo disse...

ola Filipa eu tambem estou de acordo mas so realmente quando se trata de casos extremos onde não a nada a fazer.mas se fosse preciso votar eu votava sim.beijinhos angelina

Mae Princesa disse...

Concordo plenamente!!!E acho que quem não concorda é porque ainda não pensou seriamente no que sentiria se tivesse uma doença terminal e estivesse a sofrer horrores....
Beijocas grandes!

Elisabete disse...

Olá kerida Filipa!
Então eu vou replicar mesmo :)
Sou completamente a favor da eutanásia pois considero, tal como tu, que viver tem de ser na plenitude das capacidades físicas e psicológicas.Considero igualmente que cada um de nós tem o direito inato de escolher se quer viver ou não, ainda mais se estiver numa condição de incapacidades. Estar em situação vegetativa ou consciente mas debilitada ao ponto de necessitar de respiração assistida, máquina para o coração continuar a bater e medicamentos para aliviar as dores e mais isto e aquilo, não é viver. É simplesmente estar neste mundo sem a ínfima qualidade e vontade própria. Lembro-me de um caso bastante divulgado na TV de um senhor em Espanha, tetraplégico, há mais de 20 anos e k pretendia k lhe fosse efectuada a eutanásia. Sp lhe foi recusado e acho k "quem assim decidiu" nunca podería sentir quanto mais decidir por esta pobre alma, se vivia ou morria. K vida era esta, sem se poder mexer, apenas olhar pela janela e esperar que chegasse a sua hora? Concordo contigo, ninguém tem o direito de decidir por nós a forma como pretendemos morrer nem quando.
Muitas beijokinhas amigas

susana disse...

Olá Filipa
Depois de grande ausência por falta de tempo, aqui estou eu de novo!! Espero que estejas bem, assim como a tua família.
Sobre o tema que abordas neste post, deixa-me que te diga que era impossivel concordar mais contigo. Sou 100% a favor da eutanásia, pois considero que viver agarrado a uma cama ou a uma máquina não é viver, e por isso acho que qualquer pessoa que esteja no seu perfeito juizo, deve ter o direito de escolher se quer ou não permanecer assim.

Um grande beijinho,
Susana

Sammy e Mama disse...

Ola linda!
Eu concordo plenamente contigo!

Ainda me lembro de uma senhora,que pedia ha anos para a deixarem morrer. Ate pedia para que fosse o marido a ajuda-la e, nao deixaram...
Ela estava em constante dor,nao conseguia fazer nada de nada ha anos e falava atraves de uma maquina...

Cada vez que a via na tv acabava sempre por chorar!
Enfim....

Jinhos linda e tem um bom dia!

Liliana disse...

Ui ui aí vem mais um tema envolto em muita polémica,lol...
Eu também estou de acordo com a eutanásia, porque é mesmo como terminas o post
"Vegetar não é Viver"
pode custar muito à familia aos amigos, e aquele ser que esta a regredir de dia para dia nas suas capacidades fisicas e mentais sera justo "viver" assim?? Penso que nao...a morte neste caso vai acabar com o sofrimento de alguem que so vive porque tem um coraçao a bater, mas que so respira por causa dos ventiladores...Pergunto-vos: Isto é VIVER? Na minha opiniao nao, nao e viver, e vegetar a cada dia mais, por isso eu sou a favor da eutanasia, ou morte medicamente assistida como lhe queiram chamar...e acredito que custe mais aos familiares e amigos ver um seu entequerido ali a sofrer do que se aquela "vida" terminasse ali naquele momento.

Espero nao ferir susceptibilidades, e apenas a minha modesta opiniao

Beijinhos

PS: Este post vem a proposito da noticia da mulher Italiana?

Susana Pina disse...

Concordo complectamente com o que dizes.
Beijocas
Susana

Mamã e Tesourinhos disse...

Querida Filipa,
Mais um tempa polémico.
Posso dizer-te que tive uma Avó que passou o último ano e pouco de vida vegetando numa cama devido a um AVC. Se nos primeiros meses ainda comunicava connosco com o olhar e nos reconhecia, aos poucos essa actividade foi acabando.
Era alimentada por uma sonda, tinha que ser movimentada de duas em duas horas (para evitar as escaras), não conseguia mexer um dedo sequer. Isto é qualidade de vida?
Infelizmente já perdi pessoas muito queridas de duas formas: de repente e sem qualquer "aviso" e e com um "aviso" longo, demasiado longo quando amamos alguém que está a sofrer. Enquanto que no primeiro caso a dor/sofrimento/choque é maior na altura, no segundo o prolongar destes sentimentos é muito mais desgastante, acabando por ser um "alívio" quando finalmente o familiar deixa de resistir.
Fica bem.
Bjs.

A mamã disse...

também sou a favor sim ...claro que fundamentado
bjs

Xana disse...

Vi que tinhas te alistado no meu grupo de leitores rsrsrsr * parece que estou a falar da tropa!!!

e agora vejo este post , tambem fiz um ontem ...engraçado e como já deves ter lido , eu votava sim,claro que com tudo preto no branco bem explicado.

Passa bem este dia :)

Ana Guida disse...

concordo contigo...sobretudo nos casos em que o proprio doente pede para que lhe seja feita essa vontade!!

bjs*

Patricia disse...

Minha linda, na semana passada tive de aplicar a eutanásia ao meu cão e ainda tenho um sentimento de culpa no meu coração e estou tão arrependida, apesar de saber que era a única opção. Uma coisa é quando pensamos para nós, mas é muito diferente quando somos nós que tomamos a decisão por outras pessoas... costumo dizer que cada um sabe de si :)

beijinhos

Rita disse...

Concordo completamente!!

Rita

Anocas disse...

Eutanásia é a morte a pedido do próprio interessado, numa situação em que o mesmo está consciente e lúcido para tomar decisões sobre a sua própria vida e existência.
Já agora, Eutanásia é um expressão que se refere (tal como o homicídio ou o suicídio, por exemplo) exclusivamente a seres humanos e não a animais.
Desligar uma máquina de suporte de vida ou cortar a fonte de alimentação de alguém que já está inconsciente e sem poder de decisão não é eutanásia. Poderá ser em última análise o respeito por alguma vontade que a pessoa tenha manifestado em tempos à família ou então que tenha expressado por escrito (a declaração de recusa de manutenção de vida por meios artificiais).
Qunato à situação de pessoas com doenças terminais, ou totalmente incapacitantes, que estejam na posse de todas as suas faculdades mentais, aí sim tudo bem.
Embora seja ainda ilegal no nosso país, considero que deverá no futuro vir a ser ser um Direito. Podermos dispor da nossa vida como entendermos, nomeadamente dizer "Basta! Não quero sofrer mais, não aguento e não quero que a minha família passe por isto".
Quanto às situações de coma súbito, etc... já tenho as minhas dúvidas. Não sabemos aquilo que a pessoa quereria e... até que ponto temos o direito de decidir por ela? Aquilo que para nós é demais poderá não o ser para os outros, não é?
Temo que uma legislação permissiva nesse sentido viesse a dar azo a muitas situações complexas e eventualmente injustas, como por exemplo:"livrar-me do avô velhinho", "da mulher chata", do marido cheio de $$$", etc, etc.

Sofia,Pedro e Joana disse...

Olá Filipa, eu concordo porque viver com dor ou viver sem consciência não é viver...por muito que a familia sofra, é mais digno para a pessoa doente partir...
Beijinhos e bom fim-de-semana, Sofia,Pedro e Joana

Filipa disse...

Anocas,

Descreves e muito bem a definição de Eutanásia, para a legislação Holandesa. Na Holanda desde que a pessoa esteja consciente e formalize o pedido, a eutanásia é realizada.

Aqui em Portugal é diferente. Qualquer pessoa desde que consciente pode recusar que lhe sejam realizados tratamentos ou quaisquer actos médicos, podendo assim, e por falta dos mesmos vir a falecer!!

E quando insconscientes? Será que os familiares próximos poderão tomar uma decisão? Terão esse direito? Quase que me atreveria a dizer que sim, mas bem sei, que poderá ser arriscado permitir que essa possibilidade seja legalmente concedida. Era necessário existir uma avaliação caso a caso, para que não houvesse abusos, e os familiares não utilizassem esta possibilidade para se "livrarem" dos seus familiares.

É sem duvida um tema complexo. No que a mim me diz respeito, se tiver a fatalidade de algum dia ter uma doença, que me obrigue a vegetar, como leitora do meu Blog e conhecedora da minha vontade, fazes o favor de insistires com o G, e mandarem-me vegetar para a outra banda, ok?!!!

Beijocas

Anocas disse...

Olha lá não achas que me estás a dar excessiva responsabilidade?! LOL
Na verdade a questão é mesmo esta: haver ou não uma declaração de vontade feita pela pessoa em questão!!
Desde que tal vontade expressa exista, ou tenha existido enquanto a pessoa estava lúcida, tudo bem, a vida e o corpo é nosso para dele dispormos como melhor nos parecer (as pessoas religiosas não poderão certamente concordar comigo, dirão que pertence a um qualquer Deus que, infelizmente, eu procuro mas não encontro).
O problema que se coloca é até que ponto se pode acabar com a vida de alguém que não manifestou essa vontade (o caso das pessoas que após acidentes entram em coma e assim permanecem durante anos, sem que tivessem tido tempo para dizer fosse o que fosse sobre esse assunto.
Nestes casos a morte assistida é um alívio para os familiares muito mais do que um acto de misericórdia para o doente, que não sabemos se preferiria estar vivo ou não. Poderá ser natural e compreensível a vontade de acabar com o sofrimento, mas será correcto??
Tenho dúvidas...

Filipa disse...

Concordo contigo, mas quase me atrevo a perguntar-te se ficarias "ad eternum" a ver um filho ligado a uma máquina, só porque não sabes o que pensaria sobre o assunto, ou por ser jovem demais para manifestar uma opinião de forma consciente?

Claro que falar é fácil. Viver a situação será algo muito dificil, e por certo é nessa altura que todas as duvidas surgem e as respostas escasseiam. Acredita que admiro muito as pessoas que estão anos a fio com todo o amor e carinho a assistirem os seus familiares.

Não sei se aguentaria ver um filho meu, que "sobrevive" apenas por estar ligado à máquina sem qualquer esperança de melhoria!!

Sabes o que te digo? Deus nos livre de algum dia termos de tomar uma decisão destas!!

Beijocas