>

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Características da doença

A escarlatina é uma doença infecciosa aguda, causada por pela bactéria estreptococo beta hemolítico do grupo A. O aparecimento da escarlatina não depende de uma acção directa do estreptococo, mas de uma reacçao de hipersensibilidade (alergia) a substâncias que a bactéria produz (toxinas). Assim, a mesma bactéria pode provocar doenças diferentes em cada indíviduo que infecta.A transmissão da escarlatina faz-se de pessoa para pessoa, através de gotículas de saliva ou secreções infectadas, que podem provir de doentes ou de pessoas sãs que transportam a bactéria na garganta ou no nariz sem apresentarem sintomas (portadores sãos).Tem período de incubação normalmente de dois a quatro dias, podendo, no entanto, variar de um a sete.
Sintomas

- Infecção na garganta
- Febre
- Erupção típica na pele.

Aparece por volta do segundo dia de doença, com início no pescoço e no tronco, progredindo em direcção à face e membros. É constituída por pequenas manchas do tamanho de uma cabeça de alfinete, cor vermelho vivo e que são mais intensas na face, nas axilas e nas virilhas, poupando a região à volta da boca que se apresenta pálida, e as palmas das mãos e plantas dos pés. A erupção da escarlatina, que confere à pele um toque áspero, desaparece ao fim de seis dias, acompanhando-se de uma descamação fina durante alguns dias. Nas mãos e nos pés a descamação pode ser em lâminas.

- Mal estar geral
- Dores de garganta
- As vezes vómitos
- Dor de barriga e prostração
- A febre, elevada diminui aos poucos, mas pode manter- se durante uma semana.

Tratamento

A base penicilina, para evitar infeccções graves, caso o doente seja alérgico a penicilina, o MÉDICO orientará para outro tipo de medicamento eficaz para a Escarlatina.A escarlatina pode ter complicações precoces, durante a fase aguda da doença, e complicações tardias, que surgem semanas após o seu desaparecimento.As infecções tardias surgem após a cura da doença e são a febre reumática (lesão das válvulas do coração) e a glomerulonefrite (lesão do rim que pode evoluir para insuficiência renal). Estas complicações são potencialmente graves e para diminuir a sua ocorrência é importante o tratamento adequado das infeccões estreptocóccicas.

4 comentários:

kombi disse...

é bom receber estas informações .....xôoo doenças

A mamã disse...

por acaso não conhecia "tanto"
bjihos e obg pela partilha

Mamã e Tesourinhos disse...

O Pipo teve duas vezes no ano passado... Mas se for logo atacada não há problema...

Custou foi levar a injecção de penincelina da segunda vez (da primeira optei pelo antibiótico...)

As melhoras!!

Fica bem,
Bjs.

pedradababy disse...

Olha, esta eu realmente não me lembro de a Gabi ter apanhado. Agora existe o perigo de algum de voçês apanhar caso ainda não tenham tido. Ossos do oficio, não é?!
Desejo as melhoras muito rápidas do Di, que passe logo e que ele não sofra muito.
Beijinho